Natação piscina ou no mar?

Essa é uma dúvida comum entre alunos que já vem treinando há algum tempo. Existe uma diferença muito grande entre nadar no mar ou na piscina?

Há quem considere nadar na piscina monótono e escolhe o mar por estar ligado diretamente à natureza e às variáveis como vento, ondas, sal, tornando-se um desafio atrativo. Outros preferem as águas calmas da piscina para desenvolver técnicas dos nados, estar sob o olhar atento do professor e não ter nenhuma surpresa como topar com os golfinhos do espigão da Beira Mar, ou sacos de lixo que poluem o mar.

Porém, há diferenças técnicas que devem ser levadas em consideração quando da escolha entre piscina e mar:

A diferença principal entre esses dois ambientes é que, no mar, a natação é contínua, o movimento é 100% cíclico – sem interrupções – e não há viradas como na piscina. Já na piscina, pode-se parar para descansar, colocando os pés no chão ou segurando nas bordas ou raias.

Quanto às técnicas de respiração, na piscina deve-se respirar para os lados, e no mar é necessário alternar algumas respirações laterais com uma frontal a fim de corrigir a direção do nado e manter a rota planejada, já que não há formas de orientação como nas piscinas e a correnteza é uma forte variável a ser considerada.

A frequência da braçada também muda, principalmente para quem participa de provas em águas abertas. Na piscina, muitos treinadores pedem para os atletas atravessarem a piscina com o menor número de braçadas possível, buscando maximizar a eficiência do nado. No mar não funciona assim: não se deve alongar muito as braçadas para não ficar como uma marionete à mercê das ondulações e correntes. Para ser mais rápido no mar, é preciso aumentar a frequência de braçadas, principalmente nas provas de triathlon.

Mas para quem quer apenas desfrutar o prazer de nadar no mar, sem participar de provas, a prioridade é a direção e não a velocidade. O domínio da respiração frontal é essencial para manter a boa navegação, assim como enxergar bem e montar uma estratégia de percurso.

Seja piscina, seja mar, o importante é continuar nadando.

Abraços,

Profa. Joseanne Brandão CREF 1290 G/CE