O casal de starkianos Marreira e Kedna provam que o amor pela corrida não tem idade. Corredores desde 2010 e Maratonistas desde 2015, nesse mês de janeiro desse ano enfrentaram uma prova para poucos, o Desafio do Dunga, em Orlando, Estados Unidos, uma prova de corridas em dias seguidos, começando com 5km e terminando com uma Maratona. Abaixo o Marreira conta um pouco da história dele e da esposa no esporte. Confira:

“Em 2010, a Kedna começou a participar de umas corridas, eu ia deixar e ficava esperando por ela. Aquilo me dava uma impaciência, aí resolvi me inscrever em uma prova de 5km da Caixa em agosto de 2010. Terminei a prova em uma ambulância e fui direto pro Hospital,  por isso que gosto de, quando termino uma maratona, dar uma passadinha no departamento médico, kkkkk.

Em 2011 veio a aposentadoria: 61 anos. Fiz uma avaliação do que estava fazendo na vida. Participava de grupos offroad, com muitos passeios, trilhas e muito álcool também. Aí pensei: “falta 1/4 de vida, vou buscar qualidade de vida e saúde”. Passamos a treinar e participar das corridas de 5km de forma avulsa, sem apoio de um profissional. Em 2012 fui informado de que no Lago tinha um professor chamado Pressão, que orientava grupos de corridas. Fizemos a inscrição, eu e Kedna, e com 3 meses passamos a correr 10km melhor do que os 5km que corríamos, o que eu achava impossível.

Em 2015, com 65 anos, após realizar umas meias, resolvemos enfrentar uma maratona (42 km) e escolhi Porto Alegre. Fui e fiz em 3:59:46. Não sabia nem que existia essa onda de sub4.

Hoje, eu com 68 anos e Kedna com 52, já fizemos 7 maratonas, incluindo o Desafio da Disney, agora em janeiro 2019, que foi correr 5km, 10km, 21km e 42km, em dias seguidos.

Agradecemos a Deus pela saúde e disposição, agradecemos o apoio da nossa assessoria, Stark, através dos seus competentes profissionais,  todos sem exceção, time nota 10. Agradecemos aos amigos que a corrida nos deu, pelo apoio e incentivo a novos desafios. Aos parceiros das viagens, que é a parte boa da corrida, e, eu particularmente, agradeço o apoio da minha companheira, a maratonista Kedna dos Reis. Sem ela eu não estaria correndo…, como eu sempre digo, correndo atrás das meninas.”