No dia 03 de maio de 2015 larguei para os 10km da Corrida da Unifor. Não sei se todos sabem, mas não sou nadador, nem ciclista e nem corredor, sou triatleta. Por esse motivo minhas corridas são atropeladas, ou seja, não faço um polimento especial para chegar da melhor forma possível em uma competição de corrida.
 
Na sexta anterior fiz um duathlon aquático (750m de natação + 5km de corrida) e no sábado um pedal forte de 60km. Meu corpo não resistiu e na tarde de sábado fiquei com uma sinusite enorme. Tentei descansar e fui dormir cedo.
 
Normalmente em dia de prova acordo super feliz por estar indo colocar em prática todos os treinos fortes e se encontrar com os amigos. Hoje acordei meio desanimado, sem forças. Não sei se pela doença ou pelo fato de saber que só um amigo da Stark estaria lá com certeza, o Ricardson. Esse viria a ter um papel fundamental no meu dia.
 
Estacionei e fui solitário para a largada. Dei alguns trotes, mas não estava bem e fui direto para a linha de largada, já que ainda não tinha muita gente. Minutos antes de largar o Ricardson bate em minhas costas. Que bom, um amigo para me dar forças a seguir. 
 
Tem uma largada falsa e eu estava tão concentrado que dou um salto e pulo lá para a elite. Segundos depois largo na elite. Saí muito forte, acho que pela empolgação de estar correndo na frente e fecho o 1km em 3:43. Logo em seguida, um corredor que não estava inscrito bate na minha perna e eu chuto minha outra perna por trás. Eu estava muito forte e a queda seria inevitável se não fosse pela sorte de uma corredora grande e forte da elite estar exatamente na minha frente. Bati forte nas suas costas e consegui me equilibrar. Segui em frente e fechei o 2km em 3:47. 
 
Por não estar bem, fico preocupado e dou uma maneirada e fecho o 3km em 4:03. Viro na WS e pego uma longa subida. Diminuo o ritmo e apenas fico acompanhando o Ricardson de vista. Minha luta agora era apenas o manter na vista. Minha força era o seu pace. Fecho o 4, 5, 6 e 7km em 4:14. Acho que estava em um piloto automático. Entro na Unifor e olho para o garmin. 7,5km. Teria que fazer 2,5km em curvas por dentro da Unifor. Teria que ter bastante cabeça para sustentar o ritmo. Não consigo e fecho 8km em 4:27. Nessa hora 5 atletas me passam e fico sem reação. Entre esses 5 estavam dois da minha categoria. Fecho o 9km em 4:21. O último km é o pior pois pegamos um subida em curvas. Entro na pista de atletismo totalmente sem forças e o 10km fecha 60m antes da chegada em 4:27. 
 
Cruzo com o tempo total de 41:58 e logo em seguida desabo no gramado. Fico ali deitado por uns minutos na companhia de meu amigo Ricardson. Uma sensação de dever cumprido e saber que aquilo que fiz foi com certeza o máximo que poderia ter feito.
 
Ao ver o resultado e verificar que fiquei a 20 segundos do pódio me deixa um pouco triste. Vendo pelo lado positivo poderia ter sido pior se eu tivesse caído.
 
” Se nada deu certo hoje , batalhe para dar certo amanhã . “
BlogMessengerStarkEspacoEmBrancoSimples