Nosso Destark de setembro começou no esporte apenas em 2017, e de lá pra cá já completou um Ironman e mais recentemente sua primeira maratona. Uma história que serve de exemplo e estímulo para todos que precisam saber que nunca é tarde para se começar no esporte. Fiquem com o relato do nosso Destark, Aldenis Machado:

 

“Minha pequena história no esporte talvez não seja muito diferente das histórias dos meus colegas de treino de hoje em dia, mas espero que ajude àquelas pessoas que ainda acham que não têm tempo ou que sempre adiam o início da prática esportiva na vida adulta.

Apesar de nunca ter tido problemas com o controle do peso, sempre levei uma vida bastante desregrada com relação à alimentação, bebida e descanso. Sempre fui muito focado na minha vida profissional e comecei a observar que esse meu estilo de vida sedentário estava prejudicando meu desempenho no trabalho, com dificuldades de raciocínio, mau humor, impaciência e etc.

 

Nas festas de final de ano de 2016, descobri um caroço no meu pescoço e claro, morri de medo de que fosse algo sério. Fiz alguns exames e felizmente não passou de um susto, mas naquela hora decidi que em 2017 tudo isso iria mudar. Me lembrei que um amigo havia comentado algo sobre um tal de IRONMAN 70.3, eu nem sabia o que era, mas sei que entrei no site e me inscrevi para o evento que aconteceria dali a 11 meses, em novembro daquele ano. Comecei então a nadar, pedalar e a correr, de maneira intercalada ou mista, 6 a 7 vezes por semana. Essa nova rotina me obrigou a seguir uma dieta mais equilibrada, a reduzir drasticamente o consumo de álcool e a dormir cada vez mais cedo.

 

Hoje, por conta do fator tempo, percebo que a prática frequente de atividade física me tornou mais objetivo, me fazendo planejar melhor todas as minhas atividades e a praticamente eliminar a procrastinação: se é pra fazer, faça logo!  Meu humor, minha paciência, meu raciocínio e minha resiliência também melhoraram muito.

 

Além de todos esses benefícios, conheci pessoas fantásticas, superei muitos desafios e encontrei mais motivação para as viagens; a última delas foi para a Patagônia Chilena, para o Parque Nacional Torres Del Paine, um local de natureza exuberante, onde corri a minha primeira maratona.

 

Para concluir, eu diria que a prática sistemática e desafiadora de atividade física, seja ela qual for, não te dá apenas músculos mais fortes, mas sobretudo uma mente mais poderosa.”