Você certamente já ouviu essas lendas da corrida. Veja como distinguir o que é mito e verdade sobre corredoras


Corredoras

BlogMessengerStarkEspacoEmBrancoSimples

Você, mulher, já deve ter se deparado com histórias de malefícios que a prática regular da corrida de rua que circulam por aí. Provavelmente, já escutou: “Está correndo? Cuidado para não ficar flácida, hein?!”. Ou então: “Já ouvi falar que correr envelhece a pele e o cabelo?”. O mundo da corrida é recheado por esses e outros mitos que, repetidos incontáveis vezes, podem acabar virando verdade para muitas corredoras.

Para acabar com essas lendas que rondam o mundo das corredoras, selecionamos os três mitos que rondam a cabeça das corredoras. Saiba o que é verdade quando o assunto é mulheres na corrida.

1. A corrida deixa o corpo flácido
Pelo contrário. Por ser uma atividade que exige que todo o corpo funcione de forma equilibrada, desde o aparelho cardiorrespiratório até a postura e a elasticidade, a corrida ajuda a tonificar a musculatura das corredoras. O mito pode ganhar força porque, ao começar a correr, as mulheres tendem a perder mais gordura em regiões como bumbum e pernas. Mas, com o tempo, o fortalecimento muscular tende a se destacar. Além disso, a prática constante e equilibrada auxilia no controle de peso, o que garante um ótimo contorno corporal e definição.

2. Corredoras têm a pele e o cabelo “envelhecidos”

A produção de radicais livres, substâncias que oxidam as células e são responsáveis pelo envelhecimento, é maior em quem corre. Porém, corredores também produzem mais antioxidantes — moléculas capazes de inibir a oxidação de outras moléculas — em estado de repouso, gerando, portanto, uma espécie de mecanismo de compensação. Tome cuidado apenas com a ação do sol durante a sua corrida. Use proteção contra os raios nocivos na pele e no cabelo e evite a prática ao ar livre entre 10h e 16h.

3. Correr sem algumas peças evita assaduras
As assaduras são decorrentes do atrito constante da pele e do excesso de suor em áreas de dobras. A escolha das roupas, principalmente tops e calcinhas, também pode influenciar, mas não é a principal culpada. Peças de vestuário só contribuem para o aparecimento de assaduras quando são inapropriadas ou desconfortáveis. Por isso, sempre opte pelas que vistam melhor em seu corpo e cujo tecido não seja grosso ou cheio de detalhes e ranhuras, preferindo os esportivos tecnológicos. O uso de cremes que contenham proteção física, como o óxido de zinco, pode atuar como uma espécie de escudo, protegendo a pele.

(Fontes: Daniela Rocha Landim, dermatologista com especialidade em medicina estética, Renata Di Sessa, ginecologista do Hospital 9 de Julho, de São Paulo, Evaldo Bosio, especialista em fisioterapia esportiva). Publicado em https://o2porminuto.ativo.com